quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

COPPI, Fausto (Itália, Ciclismo)

Fausto Coppi, nascido em Castellania (Itália), a 15 de Setembro de 1919, foi incontestavelmente o maior ciclista italiano de sempre e um dos melhores corredores mundiais de todos os tempos. Com efeito, graças às extraordinárias proezas cometidas e mercê das inúmeras vitórias conquistadas, Coppi marcou uma época no panorama velocipédico mundial da década de 40 e início da década de 50.
Oriundo de uma família humilde, Coppi teve uma infância difícil, durante a qual passou por dificuldades em termos de carências alimentares, chegando mesmo a sofrer de subnutrição. Porém, estes problemas não o impediram de, desde cedo, entrar em pequenas competições velocipédicas, nas quais demonstrava já uma enorme raça, espírito de sacrifício e muito talento para a prática do ciclismo.
Em 1940, com 20 anos, Coppi ingressa no ciclismo profissional, vencendo, logo no ano de estreia, a primeira das 5 Voltas à Itália (1940, 1947, 1949, 1952 e 1953) que constam do seu rico palmarés, do qual se destacam também o triunfo em duas Voltas à França (1949 e 1952) e a vitória no Campeonato do Mundo de Estrada, em 1953.
Para além das muitas vitórias que Coppi obteve ao longo da sua brilhante carreira, muitas outras ficaram por alcançar, não por ter fracassado ou sido derrotado, mas por não ter podido participar, durante cerca de 4 anos (entre 1942 e 1946), em quaisquer provas de ciclismo, devido ao eclodir da 2ª Guerra Mundial e da consequente entrada do seu país no conflito bélico.
Com efeito, devido à aliança da Itália com as outras duas potências do eixo (Alemanha e Japão), Coppi viu-se obrigado a combater pelo exército italiano, sendo mobilizado para a frente de batalha no norte de África, onde viria a ficar prisioneiro de guerra dos Aliados durante 2 anos.
Ainda em 1942, antes de uma paragem forçada de 4 anos devido à guerra, Coppi batia o recorde da hora, pedalando a distância de 45,871 km, marca esta que só seria melhorada passados 14 anos, pelo ciclista francês Jacques Anquetil, em 1956.
Após o fim do terrível conflito mundial, Fausto Coppi tornou-se definitivamente num dos grandes ídolos desportivos da Itália do pós-guerra, obtendo as suas maiores vitórias a partir de meados da década de 40 até aos primeiros anos da década de 50. Durante este período, ficaram também famosos os emocionantes despiques entre Coppi e o seu compatriota, rival e amigo Gino Bartali, os quais travaram duelos que se tornaram históricos, quer na Volta à Itália, quer na Volta à França.
Fausto Coppi abandonou o ciclismo em 1959, quase a completar 40 anos. Durante cerca de 15 anos de uma carreira recheada de êxitos, o ciclista italiano acumulou vitórias atrás de vitórias, triunfou nas principais provas velocipédicas do seu tempo, abrilhantando um palmarés verdadeiramente notável que o tornaram numa lenda imortal do ciclismo mundial.
Conta-se que, no final de uma corrida ou de uma etapa, após terem sido derrotados, muitos adversários seus chegaram a afirmar várias vezes em jeito de desabafo: "Coppi não é humano!". De facto, que melhor elogio se poderia fazer a um ciclista desta classe, verdadeiramente ímpar e inigualável!
Fausto Coppi viria a falecer prematuramente, a 2 de Janeiro de 1960, com apenas 40 anos de idade, vítima de malária, cuja doença foi contraída numa viagem que tinha feito a África.
Vejamos, a título de curiosidade, os principais triunfos e vitórias que Coppi conquistou ao longo da carreira, o qual, apesar do sucesso alcançado, poderia ter enriquecido ainda mais o seu, já de si notável, palmarés, não fora a interrupção da carreira motivada pela Grande Guerra.
Juntamente com Alfredo Binda (outro grande ciclista italiano das décadas de 20 e 30) e o belga Eddy Merckx, Coppi é o ciclista que mais vezes venceu o Giro, com um total de 5 triunfos. Coppi foi ainda um dos poucos ciclistas a vencer no mesmo ano, o Giro e o Tour, facto este que aconteceu em duas ocasiões, em 1949 e 1952. Antes de ter sido Campeão do Mundo de Estrada, em Lugano (Suíça), em 1953, Coppi já tinha obtido, em 1949, um 3º lugar (medalha de bronze) no Campeonato do Mundo de Estrada, realizado em Copenhaga (Dinamarca). Coppi venceu ainda a "clássica" Milão-São Remo por 3 vezes, a "clássica" Paris-Roubaix uma vez e 5 vezes a Volta à Lombardia, para além de ter batido o recorde da hora.

4 comentários:

Everton Domingues disse...

Acabei de conhecer seu blog agora, Alexandre. Gostei muito, pq uma das minhas paixões no esporte é justamente a história. Gostaria de convidá-lo a conhecer meus blogs olímpicos q faço com muito cairnho aqui no Brasil. Fique a vontade em me escrever para trocarmos figurinhas. Voltarei aqui mais vezes.
Gde. abraço

Everton Domingues
www.beijingolimpica.blogspot.com
www.vancouverolimpica.blogspot.com
www.londresolmpica.blogspot.com

Everton Domingues disse...

Ahh, antes q eu esqueça, tb sou um colecionador inveterado de coisas do esporte... rsss... desde selos, posters, objetos olimpicos, equipamento esportivo de tudo quanto é modalidade, e por ai vai.
Podemos trocar 'figurinhas' tb...

Abração e bom trabalho

ALEXANDRE disse...

Caro amigo. Agradeço os seus elogios e as suas amáveis palavras. Visitei há pouco os seus blogues olímpicos e achei-os excelentes. Contêm uma grande variedade e quantidade de informações e notícias, bastante detalhadas e rigorosas. Na verdade, os seus blogues estão bastante bem construídos, muito bonitos em termos gráficos e de formato e muito completos em termos de conteúdos. Os meus sinceros parabéns. Daqui em diante, prometo visitar mais vezes os seus blogues. Um abraço e até breve.

clodoaldo disse...

Meu sobrenome é Coppi, meu pai éra primo do Fausto Coppi.Nós temos muito orgulho de pertencer à essa grande família italiana.